sexta-feira, 24 de junho de 2011

EM PALAVRAS.... MELLISS




 Mergulhar nas emoções dos teus poemas,
É caminhar entre flores no jardim da poesia...
Assim... Quase um Conto de Fadas.
Entre as linhas dos teus versos, mostras teus mais belos sonhos...
E agora, voltas de mansinho
Neste azul profundo que emoldura teu mundo.
Na alma trazes um ramalhete de Sol
Que dá luz infinita ao passado em ti tatuado,
Ao presente que Deus te oferece a cada dia
E ao futuro que já se enfeita como milhões de estrelas em noite de luar.
As flores do campo e as laranjeiras em forma de amigos
Com um perfume embriagante
Enche de vida teu vago olhar,
A alma canta, o coração se alegra...
Quanta vida, tanta cor...
Deus, tudo pode.
Como uma dama da noite, põe teus brincos de rainha
Momento de beleza, numa noite linda
Fechas os olhos e sonhas,
Depois... Oferta-nos teus sonhos em forma de poesia

Zezinha Sousa

quinta-feira, 9 de junho de 2011

MILAGRE


O homem humilde com sua enxada na mão

Plantando a semente, cuidando da terra,

Com seus pés raízes fincados no chão.

Trabalha, trabalha... Enxuga o suor...

Sua sina é aceita...  Sorri, assobia...

Esperando o dia da grande colheita.

Mal sabe este homem humilde e honesto

Que com o seu trabalho

O milagre da multiplicação também acontece,

E o Sol festejando vendo aquela imagem pura

Semelhança de Deus

Brilha e ilumina chamando a irmã chuva.

As mãos calejadas na cova enterra

Mais uma semente...

Semente que morrerá para então se transformar

No mais puro alimento.


Zezinha

segunda-feira, 6 de junho de 2011

PENSAMENTO

Minha poesia não é mais a mesma
Perdeu a essência, não sei...
Talvez eu não seja mais a mesma
Descobri que não sou poeta.
Ora, descobri nada...
Disso eu já sabia...
Vou ficando por aqui
Até quando...
Não sei...



sábado, 4 de junho de 2011

SÁBADO



Sábado,
Ainda é cedo
Eu, Deus e a chuva...
Olho da janela,
Ouço... 
É música para os ouvidos
Cai fina e constante...
Um friozinho bom...
Abraço a mim mesma

Aqueço-me


Zezinha








Poema sem registro

Numa folha de papel em branco Fiz de ti, poesia Versos concebidos em silêncio  Total ausência de grafia Segredos que não ouso ...