Ebook Meus Poemas

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Tô Filmando



O céu levemente nublado com suas espessas nuvens brancas e cinzas que mais pareciam uma mistura bicolor de algodão australiano, observava o grupo de amigos aprendizes de futebol. Não dava pra perceber claramente se eles se divertiam com a bola ou se a bola se divertia com eles.
Naquele campinho simples num terreno baldio, entre chutes, cansaço e muito suor, cada um deles disfarçadamente sentia-se importante, um iniciante Neymar ou um Messi quem sabe, na difícil missão de conseguir driblar os adversários e enfiar a teimosa bola no gol. Tarefa que parecia impossível, mas a diversão estava garantida e vez ou outra acontecia o inesperado e desejado fruto daquela batalha com a redonda, saía um gol festivamente valorizado pelo autor do grande feito.
O céu, com seu semblante tranquilo, a tudo observava e sorriu quando ouviu um dos expectadores exclamar: _ É pra filmar, o sargento mandou! É pra filmar a bola ou o sargento? Tô filmando tudo!
Quem ganhou? Quem perdeu? Não importa... O encontro era o personagem principal. No dia seguinte daquela aventura semanal restaria apenas as dores musculares acarretando um “ai” ao levantar e um “ui” ao sentar. Nada que os fizessem desistir, na próxima semana tem mais. 


Zezinha Lins

domingo, 23 de outubro de 2016

O Som do Sonho


Cada nota que sai do piano,
Um verso...
E a melodia repleta de poesia
Entra pelos poros,
Invade os sentidos,
Agora, fechas os olhos e sonhas...
Eleva o espírito. Depois oferta-nos teus sonhos
Em forma de música com poesia.

Zezinha Lins

domingo, 16 de outubro de 2016

Afã


Ás vezes

O Sol da minha solidão

Se esconde por trás de espessas nuvens azuis

Suscito asas de águia

Num voo diligente e perseverante

Vou ao céu

Com as mãos pálidas,

Rasgo as nuvens azuis

De lá, retiro o meu Sol

Sim

Agora, novamente,

Há um Sol na minha solidão


Zezinha Lins

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Paradoxo


O silêncio grita
Na mente confusa
Cansada e solitária.

O silêncio acalma
A alma que busca renovação
Depois de cada tribulação.

Zezinha Lins


Poema de Amor


Fiz um poema de amor
Nesta noite fria e calma,
Versos prontos pra te acolher
Encanto da poesia alada.

Quando te sentires abraçado
Com todo afeto e cuidado,
Mesmo na tua sagrada solidão
Ouvirás uma alegre canção
Notas arteiras escapam
Das cordas de um violão.

E um fundo musical
Espalhando-se pelo ar
Com meus versos livres, brinca

Somente pra te agradar

Zezinha Lins


quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Linha do Tempo



_Menina,
Olho para trás na linha do tempo
E te vejo querendo alcançar uma estrela,
Não mais que uma.
Entre flores, versos e espinhos
Vejo-te nascer poesia,
Mas tuas feridas sangram
E agora,
O que mais queres de mim?
Aqui estou, pronta para realizar
Os sonhos que cultivastes.
Muito já fiz, mas posso fazer mais
Só para te fazer feliz...
Prometo.

_Mulher,
Entre flores, versos e espinhos
Cresci poesia
Minhas feridas já não sangram mais
Cuidastes bem delas.
Olho para frente na linha do tempo
E te vejo
Alcançando minha estrela
Não mais que uma
Vejo que cuidas em realizar meus sonhos
Mas não faças promessas
Vives apenas cada dia.

Zezinha Lins

domingo, 3 de abril de 2016

SOLIDÃO


Há solidão barulhenta
Ninguém fala a mesma língua.
Há solidão silenciosa
Sem olho no olho, sem abraço, sem beijo.
Há solidão escura
Como o fundo do poço sem água.
Há solidão orvalhada
Como flores regadas por lágrimas.

Mas a minha solidão
Tem música suave no ar,
Sabor de suco de uva,
E um jardim para cuidar.
Tem monólogos interessantes,
Risos de criança travessa
Que dança, dança sem parar.

Na solidão olho-me no espelho e vejo
Um só
Mergulho no meu eu e percebo
Um Sol

Sim, há um Sol na minha solidão!

Zezinha Lins


O BEIJO




Manifestação espontânea,
Assume diferentes formas.
Perfeita celebração do encontro.

O beijo molhado no encontro de dois rios;
O beijo estalado da chuva no telhado;
O beijo desejado em cada despedida
entre o Sol e a Lua, no fim do dia;
Beijo doce nas mãos, na testa, na face;
Beijo salgado do mar com a areia.

Beijo primeiro;
Beijo roubado;
Beijo ofertado;

Beijo traidor que oferece a cruz;
Beijo redentor que oferece o céu.
Lábios que se perdem e ávidos se encontram.

Beijo que dura o tempo de uma vida
Beijo matinal com sabor de café
Beijo tranquilo depois do almoço
Beijo de fogo depois do jantar.


Zezinha Lins





NA PONTA DO LÁPIS

Minha história dança com meus versos
Conversam em prosa e fazem descobertas
Das coisas que de mim eu escondia
A história na ponta do lápis
Ecoa como nota que sai de um violão
Conto como quem canta uma canção.
História contada

Saciada sede de libertação.

Zezinha Lins

RENOVAÇÃO

Mesmo sentindo cansaço
Não permitas a fuga
Do brilho dos olhos teus
Colhes duas estrelas no céu
E deposites em teu ser
E quando te enxergares no espelho
Verás refletida em teus olhos, a luz
A luz que veio do céu
Passará o tempo do cansaço
E novamente terás
Um espírito vivaz.


Zezinha Lins

sábado, 31 de janeiro de 2015

Versos Improvisados


Quero viver a poesia
De um poema real.
Objetivo, exato.
sem rimas, sem métrica,
sem metáforas,
sem disfarces
sem sonhos.
Apenas um poema de vida.
De vida real.
Mas o que é a vida
senão um feixe de subjetividades,
de dúvidas que geram erros
que nos conduzem aos acertos... Ou não...
De verdades que de repente não são mais?
O que é a vida senão
Um fascinante desafio
no qual somos os repentistas?
E assim seguimos nessa peleja
Desfiando versos improvisados.
Cada dia um novo mote.
Zezinha Lins

O que nos move?


Nossa alma inquieta
carece de conquistas,
alavanca da vida.
O que nos move
É o que não temos.
O que sustenta nossa sabedoria.
É o que ainda não sabemos.
Zezinha Lins

Evolução


O que temos como
Espírito Filosófico da Pós Modernidade?
Insegurança,
Relações líquidas,
Dispersão.
E lá se foram:
A Mitologia,
A Física,
O Sagrado
E a Razão
Como evolução. temos
O tudo
Ou seja...
O nada.
Zezinha Lins

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

A ROSA DE JERICÓ


Assim como a Rosa de Jericó
Busco renovar-me a cada dia
Às vezes aparentemente frágil
Não desisto
A vontade e a alegria de viver 
Sempre prevalecem.
Mergulho nas águas Divinas
E renasço mais uma vez
Assim...
Como a Rosa de Jericó.


Zezinha Lins

SEM NEXO




Somos poemas inacabados
Sem rimas
Sem nexo

Incertos
Em busca de versos perfeitos
Seguimos...
Sem jeito
Aos tropeços.


Zezinha Lins

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Liberdade de Expressão - Simplificando



Os desenhos provocam terror
O terror provoca mais desenhos
Multiplicados por milhões.
O que há nos extremos
Desse cabo de guerra?
Flores e lágrimas para os mortos,
Vingança e muito dinheiro para os vivos.


Zezinha Lins

A MAGIA DA NOITE



Você chega como o orvalho
Na madrugada se faz presente
Sonolenta, escuto sua voz
O sorriso sai fácil.
A noite é mágica
Tem a lua,
Tem estrelas,
Tem você.


Zezinha Lins

sábado, 9 de agosto de 2014

VOCAÇÃO



Meu coração
Em estado de graça
Responde ao chamado.
Sigo meu caminho
Faço descobertas
Distribuo flores
Espeto-me nos espinhos
A alegria da doação
Anestesia minhas dores
Eis a minha vocação
Nasci para amar
Incondicionalmente
Nasci pra viver
Viver plenamente.


Zezinha Lins

quinta-feira, 24 de julho de 2014

PÁGINAS EM BRANCO


Dueto: Ana Claudia Albuquerque e Zezinha Lins

Tenho procurado maneiras
De explicar o que sinto,
 Mas não as encontro.
 Meus sentimentos são efêmeros.
No momento em que os sinto,
 Eles se esvaem...
E deixam um vazio sem fim em mim,
 Serei então como um livro
Com suas páginas em branco?
Se assim sou...
Não é de todo mau
Quem sabe meus sentimentos
Estão entrelaçados com os de alguém?
Que sabe escreveremos juntos...
Derramaremos sentimentos
Em forma de vocábulos
Nas minhas páginas em branco?...
Quem sabe...


TUDO PASSA


Sinto a presença de Deus
No vento que acaricia
Ou na tempestade que assusta
No Sol que aquece a alma
Ou na chuva que tudo leva
Na água límpida que mata a sede
Ou na seca que racha o chão
Na noite que acalma a mente
Ou na insônia que atormenta
Sinto a presença de Deus
E a certeza de que tudo passa.


Zezinha Lins


terça-feira, 15 de julho de 2014

POEMINHA




O coração do outro
É um espaço delicado de se tocar
É como pisar em flores
Sem querer machucar.

Zezinha Lins

sábado, 22 de março de 2014

A CIDADE NO SEU COTIDIANO




Em nossa pequena cidade
Não há enigma nos pedestres
Todos se conhecem.
Nas ruas os olhares se cruzam
Para o bem ou para o mal.
As torres para as quais erguemos os olhos
São: a torre da igreja matriz
E os altos coqueiros que nos rodeiam.
Multidões a caminhar pelas ruas,
Só em dia de procissão.
É a festa da padroeira...
A roupa nova, a praça, o parque de diversão
A cidade tem sabor, tem cheiro, tem cor
As práticas urbanas se integram com as do campo
Aqui e ali...
As frutas do compadre,
O bordado da vizinha,
O verde do Sítio Palmeiras
Temperando o meu feijão.
A cidade no seu cotidiano
Às vezes sonha com o progresso,
Mas com o sonho vem a realidade
Do anonimato, do concreto,
Do fogo que queima no chão
Da bala perdida, da morte...
A cidade desperta do sonho
Ao som da alvorada em dia de festa
É a banda tocando ao amanhecer
Sempre as mesmas canções
Trilha sonora de triste ou alegre viver.



 Zezinha Lins

sexta-feira, 21 de março de 2014

PENSAMENTO...


Os maiores aprendizados, 
os maiores encontros com a nossa sensibilidade 
estão nas coisas que vivenciamos no dia a dia.
Precisamos apenas enxergar além da imagem.

Zezinha Lins

EFÊMERO





E tudo o que é líquido
Efêmero
Escorre e se esvai...
Que fique apenas
O que é consistente

Zezinha Lins

sábado, 25 de janeiro de 2014

OS VERSOS QUE TE FIZ



Os versos que te fiz
Tem orvalho como as madrugadas
Que brilha como cristal sob a luz do luar,
Tem o calor quase insuportável de um dia de verão,
Tem o frio em busca de aconchego nos longos dias de inverno,
Tem a nostalgia do outono nas folhas secas caídas no chão,
Tem o perfume das flores que enfeitam a primavera,
Tem a complexidade e a simplicidade que existe na ação de amar.
Tem tanto sentimento...
Mas não te inquietes...
Não tem nada de importante
Nos versos que te fiz.

Zezinha Lins








sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

PARA UM PASSARINHO





De onde vens, passarinho?
O que te trouxe aqui
No meu quarto, nos meus travesseiros...
No meu ninho?
Logo hoje que aqui estou tão sozinho
Me olhas com esses olhinhos
De quem também precisa de carinho.

Zezinha Lins

domingo, 15 de dezembro de 2013

EU


Há algum tempo
Fiz as pazes comigo.
Cerco-me de atenções e cuidados,
Afasto tudo o que
Nada a mim acrescenta:
Coisas, pessoas e sentimentos.
Esvazio-me das coisas velhas
E preencho-me de coisas novas.
Olho pra dentro de mim...
E gosto do que vejo.

Zezinha Lins


quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

homemmaquina.com

O homem e a máquina
Uma relação complexa...

Em contrapartida
Simplifica a vida.

Interfaces e interatividade,
Componentes indispensáveis
Num relacionamento
Tão íntimo.          

O homem comanda a máquina,
Mas nem por isso deixa de ser
Comandado por ela.


Zezinha Lins

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

POESIA EM MIM

Um olhar
Um carinho
Um sorriso
Um jeitinho...
Uma chuva fina
Um friozinho
Um abraço quente
Um aconchego
Uma flor oferecida
Um agradecimento
Um beijinho

Sei lá...
É tão simples...
E de repente...

Eu me descubro  poesia...


Zezinha Lns

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

SAUDADE

A saudade mora tão perto
Uma foto,
Uma palavra
Um gesto,
Uma lembrança...
Muitas lembranças..
E uma lágrima escorre devagar...
Vó Olívia,
Que saudades...

Zezinha Lins.

domingo, 8 de dezembro de 2013

TERNURA

Quando a ternura se faz presente

O olhar fala ao coração

E o sorriso acaricia a alma.

Zezinha Lins

LÁGRIMAS

As lágrimas
Que caem dos meus olhos
São como águas cristalinas a jorrar
A encharcar o solo
Onde finco minhas raízes

Ali me sustento,
Cresço,
E novamente...
Floresço.

Zezinha Lins


CORAÇÃO PARTIDO

Muitas vezes
Precisamos rasgar o coração
E de lá retirar o que há de melhor...

Espírito elevado...
E um coração a sangrar.

Zezinha Lins

FLOR NA PEDRA

Plantar em terra fértil...
Tão fácil...
Viver é
Plantar semente na pedra
Regar, cuidar...
Com fé e paciência
Até vê-la brotar.
Nada é impossível
Quando nos permitimos
Insistir, persistir
E acreditar.


Zezinha Lins



quarta-feira, 6 de novembro de 2013

AUDÁCIAS DE UM BEIJA-FLOR




Audacioso um beija-flor voa feliz,
Acariciando e beijando uma formosa flor.
Paixão, desejos que são meus
Vem nas asas do sonho, pousar no teu amor
E cada pétala se abrirá para ti
Oh, meu querido, meu amado me faz sorrir...
Delírios de prazer me faz ouvir.

Mata tua sede, bebe o néctar que é só teu

Abraça-me
E nesta noite meu amor será só teu.
Zezinha Lins

MILAGRE

O homem humilde com sua enxada na mão

Plantando a semente, cuidando da terra,

Com seus pés raízes fincados no chão.

Trabalha, trabalha... Enxuga o suor...

Sua sina é aceita...  Sorri, assobia...

Esperando o dia da grande colheita.

Mal sabe este homem humilde e honesto

Que com o seu trabalho

O milagre da multiplicação também acontece,

E o Sol festejando vendo aquela imagem pura

Semelhança de Deus

Brilha e ilumina chamando a irmã chuva.

As mãos calejadas na cova enterra

Mais uma semente...

Semente que morrerá para então se transformar

No mais puro alimento.


Zezinha

PROCURA-SE


 
 
Procura-se um coração

Ele é grande, iluminado e sonhador

É alegre e sensível

Palpitante, cheio de vida,

De carinho e de amor

 

Certamente não se perdeu

Brinca de esconde-esconde

Deseja que alguém o encontre.

 

Quem sabe está disfarçado...

Numa linda flor do campo

Ou num alegre girassol?

Na simplicidade da margarida

Ou na sofisticação da rosa?

Nas asas da borboleta

Que acabou de sair do casulo,

Naquela nuvem branca  

Que mais parece algodão doce,

No sorriso de uma criança

Ou na meiguice do seu olhar?

Ou quem sabe ele se encontra

Disfarçado de luar?

Ou na explosão de desejos

No beijo apaixonado

De um casal de namorados?

 

Procura-se um coração.

Quem o encontrar será bem recompensado.

 

Zezinha Lins