quinta-feira, 9 de junho de 2011

MILAGRE


O homem humilde com sua enxada na mão

Plantando a semente, cuidando da terra,

Com seus pés raízes fincados no chão.

Trabalha, trabalha... Enxuga o suor...

Sua sina é aceita...  Sorri, assobia...

Esperando o dia da grande colheita.

Mal sabe este homem humilde e honesto

Que com o seu trabalho

O milagre da multiplicação também acontece,

E o Sol festejando vendo aquela imagem pura

Semelhança de Deus

Brilha e ilumina chamando a irmã chuva.

As mãos calejadas na cova enterra

Mais uma semente...

Semente que morrerá para então se transformar

No mais puro alimento.


Zezinha

9 comentários:

CLEMENTE GERMANO MULLER disse...

Parabéns amiga pelo teu blog, ele é realmente muito bom, pena que não possa ser seguidor pois não encontrei tua lista de seguidores.Um grande abraço. Um dia quando passar pela tua cidade vou procurar conhecê-la pessoalmente.
www.clementegermanomuller.blogspot.com

Arnoldo Pimentel disse...

Muito lindo seu poema, o homem do campo é muito importante para o país, que não lhe dá a importância que merece.Beijos.

Marly Bastos in "palavreados ao vento" disse...

Bela homenagem ao homem do campo.
Adoro lembrar que para nascer tem que morrer.
Beijos querida e um fim de semana maravilhoso.

Zé Carlos disse...

Zezinha, somente quem vive na roça sabe a dor destas verdades....

Só quem vive disso sabe a dor da espera da realidade que um dia virá se Deus quiser.

Lindo trabalho...

Bjs do ZC

selma disse...

Lindo poema,tudo que fizemos com gratidão seremos recompensados...
vim desejar lindo final de semana e oferecer um mimo espero que gostes,beijos
http://i701.photobucket.com/albums/ww15/M-amles/anigifselma-4.gif

manuel marques disse...

Chegando atrasado mas a temo de te dar os parabéns pelo excelente poema.

Beijo meu.

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Bela homenagem a esse grande e anônimo herói, o nosso homem da terra. Bravo, Zezinha.

Sotnas disse...

Olá Zezinha, que tudo permaneça bem contigo!
Belo e sensível texto, e assim tem sido por aqui, sempre um belo e sensível poema a nos encantar!
E algumas vezes este cultivador da terra sequer recebe justa recompensa, e ainda assim insiste e permanece arando e semeando na terra alimentos para o sustento de tantos!
Muito bela a imagem aqui postada também, e parabéns pelo belo espaço!
Agradecido por tuas visitas e comentários desejo a você e todos ao redor intensa felicidade, abraços e até mais!

Mário Cravo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Um certo tipo de amor

Num domingo à tarde, depois de ver um filme de romance do qual não sei o título porque comecei a ver quase no final, atrevo-me a escre...