quinta-feira, 23 de março de 2017

Olhar Poético



Vinícius olhou a porta
e viu nela poesia.
Porta que abre e fecha, como todas as portas.
Para cada pessoa de um jeito diferente:
O namorado, a cozinheira, o capitão...
Cada um com seu jeitinho ou seu jeitão.

Também olhou uma casa
Imaginária? De botão? Quem sabe...
(depende da sua imaginação)
E viu nela poesia, por tudo o que ela não tinha:
teto, parede, chão...

Por que então não olhamos
com esse olhar de poeta
as pessoas que nos cercam?
Veríamos nelas  poesia,
obra divina, mesmo com imperfeições.
Se assim fosse...
A maldade sumiria no ar
Explodindo para sempre, 

como bolhas de sabão.


Zezinha Lins

Nenhum comentário:

As lágrimas de Maria

Ela é a Maria que não vai com as outras, não tem idade, tem maturidade em construção. Como muitas Marias, constrói sua estrada remov...