terça-feira, 21 de março de 2017

Prisma


Nasci sem cor,
um prisma transparente.
base insegura,
altura indefinida,
vértices desencontradas,
arestas afiadas,
faces rosadas.
A vida 
Conspirava a meu favor.
Enfim,
um pouco de luz
permeou os sonhos meus,
explodiram as cores,
ora quentes, ora frias.
Nasci sem cor
Hoje, polícroma sou.

Zezinha Lins

2 comentários:

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

OI, Zezinha. Passando por aqui pra agradecer sua visita ao meu blog e pra conferir as novidades. Sempre um belo espaço, agora repaginado. Parabéns, um beijo meu.

Poesia do Bem disse...

Linda inspiração!!

Um certo tipo de amor

Num domingo à tarde, depois de ver um filme de romance do qual não sei o título porque comecei a ver quase no final, atrevo-me a escre...