domingo, 3 de abril de 2016

SOLIDÃO


Há solidão barulhenta
Ninguém fala a mesma língua.
Há solidão silenciosa
Sem olho no olho, sem abraço, sem beijo.
Há solidão escura
Como o fundo do poço sem água.
Há solidão orvalhada
Como flores regadas por lágrimas.

Mas a minha solidão
Tem música suave no ar,
Sabor de suco de uva,
E um jardim para cuidar.
Tem monólogos interessantes,
Risos de criança travessa
Que dança, dança sem parar.

Na solidão olho-me no espelho e vejo
Um só
Mergulho no meu eu e percebo
Um Sol

Sim, há um Sol na minha solidão!

Zezinha Lins


Nenhum comentário:

Tecelã do Tempo ( Resenha )

Fonte: blog Pedagoga Literária. https://pedagogaliteraria.blogspot.com.br/ Livro:  Tecelã do Tempo Autora:  Zezinha Lins Editora: ...