sábado, 12 de novembro de 2011

RECOMEÇO



Enrijecida pelos sonhos desfeitos
Sem nunca terem sido vividos,
Encolhida num canto da casa
Fechou as portas da vida.
Vegetou por anos a fio
Enroscada olhava para dentro de si mesma,
Era tudo confuso, sem luz...
Ela insistia em acender uma vela...
Frágil vela...
O sopro de um desorientado apagava,
Insistentemente ela voltava a acendê-la.
Até que um dia...
Tudo desabou... A vela pagou...
A tempestade chegou
E tudo que era ruim
Enfim ruiu...

Era o fim.

Mas é depois do fim que existe um novo começo
É preciso insistir, querer ser feliz
Lutar... Lutar...Lutar...
E fez-se a luz,
O Sol brilha com todas as honras dentro dela
É tanta luz que sai pelos seus poros
Agora...
Sozinha... Em paz.. .Rosto iluminado, sereno
Sorriso aberto, coração florido
Fez uma simples e grande descoberta
Ainda é possível ser feliz!


Zezinha Lins

6 comentários:

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

O bom de estar vivo,
é essa infinita
capacidade
de estarmos
sempre recomeçando,
e encontrando novos
sentidos
para o nosso sentido na vida...


Viver é se fazer eterno
para alguém.

Marcia disse...

Eu sempre me encanto com teus versos,ah ,mas isso você ja sabe neh?rs
Boa semana Professora!

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

É, minha amiga, sempre é preciso dar a volta por cima. Bonito poema. Meu abraço!

Templates e Layouts Sal da Terra disse...

Oláa!
Muito interessante!
Visitando aqui com carinho ♥
Espero ter a alegria de te ver em meu cantinho!
Bj

Antonio Rubilar B. Valente disse...

Lindas poesias minha amiga, é assim que a vida da gente nos floresce e nos alivia a alma. É quando a gente lê coisas lindas e que de alguma forma nos acalentam. Parabéns ao blog! Abração!!! Rubi.

Antonio Rubilar B. Valente disse...

Lindas poesias minha amiga, é assim que a vida da gente nos floresce e nos alivia a alma. É quando a gente lê coisas lindas e que de alguma forma nos acalentam. Parabéns ao blog! Abração!!! Rubi.

Poema sem registro

Numa folha de papel em branco Fiz de ti, poesia Versos concebidos em silêncio  Total ausência de grafia Segredos que não ouso ...