quarta-feira, 14 de julho de 2010

AMOR VIRTUAL

Ele a olhava através da tela do computador
Ela era linda!
Ele não a via, mas sentia sua presença.
Ela lia suas palavras apaixonadas, ela o amava
Ele queria saber tudo o que acontecia com ela
Ela contava tudo o que ele queria saber

Ele queria saber sempre mais
Ele sonhava estar com ela em uma praia distante.
Abraçados, trocando carinhos e juras de amor.
Ela sentia o seu toque e chamava seu nome baixinho
Ele pensava nela dia e noite

Ela pensava nele noite e dia
Ás vezes a saudade era tanta,

Que as lágrimas rolavam dos olhos dele e dos olhos dela
Mas bastava eles se encontrarem em frente à telinha

E tudo se acalmava...
Naqueles momentos a distância não existia
E através das palavras eles se tocavam

Para ele e para ela existiam apenas
O sorriso, a paz, a alegria, a vida,

O sonho, o futuro.

Quem sabe...


Zezinha Sousa






6 comentários:

*Simone Fernandes* disse...

Aiiii Zezinha que lindooo!!!
Me identifiquei com esse poema... Maravilhoso! Parabéns

Bjos

*Simone*

Ivana disse...

Olá Zezinha,

Você sabe que esse mundo virtual é mais real do que imaginamos? E não é que acontece isso mesmo, igualzinho o seu poema? Um abraço virtual, mas muito verdadeiro!

Mari disse...

Oi Zezinha...

Pois é menina vc tinha razão, é a minha cara mesmo...já tive um dia um amor assim, que saiu da telinha e entro de verdade na minha vida. Me fez a mulher mais feliz deste mundo...se foi, mas pra sempre será o amor da minha vida!

Deu saudade agora amiga, aliás hoje ele não me saiu da cabeça um minuto sequer...eu o amo pra sempre!

Beijos

Denise Almeida disse...

Parabéns, amiga!
Uma bela poesia.

Beijosssssssssssssss

Anônimo disse...

Olá Zazinha, sua poesia é linda! A tecnologia nos presenteia tembém com o amor virtual que muitas vezes torna-se uma realidade.
Amar é maravilhoso!
Bjs Amélia

•!¦[•ADIEMUS•]¦!• disse...

Ola minha querida !!!! gostaria de ter sua permissão para levar mais esse lindo poema para visitar o CLIP.
Um grande beijo
Mara Bombo

Um certo tipo de amor

Num domingo à tarde, depois de ver um filme de romance do qual não sei o título porque comecei a ver quase no final, atrevo-me a escre...