domingo, 16 de outubro de 2016

Afã


Ás vezes

O Sol da minha solidão

Se esconde por trás de espessas nuvens azuis

Suscito asas de águia

Num voo diligente e perseverante

Vou ao céu

Com as mãos pálidas,

Rasgo as nuvens azuis

De lá, retiro o meu Sol

Sim

Agora, novamente,

Há um Sol na minha solidão


Zezinha Lins

Um comentário:

Anônimo disse...

Bravo!!!!! Lindo.... ������

As lágrimas de Maria

Ela é a Maria que não vai com as outras, não tem idade, tem maturidade em construção. Como muitas Marias, constrói sua estrada remov...