terça-feira, 29 de janeiro de 2013

ALMA SERENA




Consciência pura,
Alma serena
Assim eu vivo a vida que me cabe.

Ações e atitudes pensadas
Promovo apenas o bem a quem me cerca.
Agradar a todos, impossível, nem pretendo
Mas eu sei que a minha estrada é esta:
Difícil de subir, áspera e dura,
Mas branca e iluminada
Pelo amor do Pai.
Assim sou eu, tão fácil de entender,
Como chuva a cair, água a escorrer
Que faz a frágil semente brotar
E numa forte árvore se transformar
Eu não me escondo, porém, atrás de um muro
Eu apareço ao sol e para toda a gente.

Zezinha Lins

6 comentários:

Sotnas disse...

Olá Zezinha, eu desejo que tudo esteja bem contigo!

Fico deveras contente pelo seu retorno, e cá venho amenizar as saudades de tuas belas postagens, além de agradecer por tuas sempre tão gentis visitas e comentários. Obrigado mesmo!

E assim deixo cá também meu desejo para que você tenha em teu viver sempre a felicidade intensa, um grande abraço e, até mais

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Nada de conflitos, só serenidade... Bom viver assim. Bela lição de vida, professora! Um grande abraço.

Poesia do Bem disse...

Nada melhor que ter a consciência pura e a alma em paz. lino poema. bjs

Jota Effe Esse disse...

Lindo poema, Zezinha! Meu beijo.

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

As palavras
que semeiam o pensar
são preciosas.
Delas nascem sentimentos
que nos tiram do lugar comum
e nos fazem sentir
o perfume
precioso da vida.

Olha o céu de manhã.
Vês como brilha iluminado
por teus sonhos...

Anônimo disse...

já li muitos poemas (incluindo os seus) que removem de mim emoção por admiração, mas cada poema é um momento a mais; e este eu destaco como um grande momento pela energia universal de teus versos em sintonia com o gosto de Deus.

Poema sem registro

Numa folha de papel em branco Fiz de ti, poesia Versos concebidos em silêncio  Total ausência de grafia Segredos que não ouso ...