terça-feira, 22 de junho de 2010

DESPIDA

Despida

De tristezas,

De paixões,

De ressentimentos

E ilusões,

Busco a luz

E encontro...

Na serenidade,

Na capacidade de amar

Sem esperar nada em troca,

Na paciência de saber esperar,

Na esperança de poder recomeçar,

No desejo cada vez mais crescente

De vencer os desafios

E assim me libertar.


Zezinha Sousa




7 comentários:

Shamara Paz ( Protetora do Meio Ambiente) disse...

Olá professora! tudo bem? ESpero que sim!
gostei da crônica da revista projetos escolares.Abraço

Alberto Afonso disse...

Otimismo descrito em belos versos... parabéns, Zezinha.
Um abraço.

Zé Carlos disse...

Zezinha, vc encanta independente do tamanho do poema que vc posta.

Tudo que vem de vc é lindo.

Bjs do ZC

Beatriz Prestes disse...

Zezinha querida...

Como tua poesia apaixona!!!
E teu blog está simplesmente um encanto!
Beijo carinhoso minha amiga e poeta linda!
Bea

Denise disse...

Sentindo sua falta...passei pra deixar um beijo.

MEUS POEMAS disse...

Concordo com o Zé Carlos, tudo que vc compõe é maravilhoso!
Obrigada por sua visita e comentário, valeu!
Bjão amiga e parabéns!
Gena

Ivana Marisa Altafin disse...

Olá,
Como é bom se "despir", eu me sinto exatamente assim: despida, lindo poema!!! Um grande abraço!

Um certo tipo de amor

Num domingo à tarde, depois de ver um filme de romance do qual não sei o título porque comecei a ver quase no final, atrevo-me a escre...