sábado, 20 de maio de 2017

Novo jeito de viver... Como antigamente





É uma rua sem saída, um muro com cerca elétrica delimita o espaço e oferece uma sensação de segurança que tem dado certo, daqui ninguém passa, nada de carros nem barulho de motos, apenas o silêncio quebrado pelas conversas dos vizinhos nas calçadas no fim da tarde, pelas brincadeiras das crianças na rua e   pelo canto dos pássaros que voam livres e fazem morada nas imensas árvores que ficam num terreno baldio por trás do muro. As casas todas parecidas umas com as outras com muros e portões altos favorecem a privacidade de cada morador. Um grupo formado numa rede social facilita a vida de todos: se alguém precisar de algo é só expor no grupo e sempre há um vizinho que atende a necessidade do outro. Periodicamente os vizinhos reúnem-se na rua no sábado à noite para jantar juntos e jogar conversa fora, logo surge uma mesa, cadeiras, cada um faz uma comida, um suco, um bolo ou um café. Se de repente chove, o terraço de um acolhe todos.  Melhor programa não há. As crianças jantam primeiro e vão brincar, os adultos jantam enquanto animadamente falam sobre tudo, as brincadeiras acompanhadas de boas risadas prevalecem.
Quase inacreditável que cenas como essas se repitam com uma certa frequência nesta rua tão mágica e tão real em tempos de tanta violência e individualidades. Pessoas que por algumas horas deixam a televisão e o celular de lado apenas para conversar ao vivo e a cores, olho no olho, enquanto a lua satisfeita por perceber que nem tudo está perdido observa os vizinhos que escolheram esse novo jeito de viver...
Como antigamente.

Zezinha Lins




Nenhum comentário:

Um certo tipo de amor

Num domingo à tarde, depois de ver um filme de romance do qual não sei o título porque comecei a ver quase no final, atrevo-me a escre...