segunda-feira, 8 de maio de 2017

Inexplicável



Chuva fina vespertina
Uma xícara de café amargo
Receio que algo aconteça
Um algo específico
Medo camuflado
De um não sei quê de melancolia.
Tudo pode acontecer
Num universo alheio
Mas esse amor inexplicável
Que não aceita a lógica
Que só quer o bem do outro
Do filho
E do filho do filho
É amor que eleva a alma
Enquanto sofre o corpo inteiro
Maternidade que encanta
E a si mesma suplanta.

Zezinha Lins





Um certo tipo de amor

Num domingo à tarde, depois de ver um filme de romance do qual não sei o título porque comecei a ver quase no final, atrevo-me a escre...