domingo, 10 de abril de 2011

DESPIDA




Despida
 De tristezas,
 De paixões,
 De ressentimentos
 E ilusões,

Busco a luz
E encontro...

Na serenidade,
Na capacidade de amar
Sem esperar nada em troca,
Na paciência de saber esperar,
Na esperança de poder recomeçar,
No desejo cada vez mais crescente
De vencer os desafios

E assim me libertar.

Zezinha Sousa


6 comentários:

MARLY BASTOS disse...

Sim Zezinha, somente nos despindo da velha e frágil armadura, podemos nos revestir da couraça da paz que é a base de uma vida feliz.
Beijos e um domingo memorável.

Arnoldo Pimentel disse...

Muito lindo seu poema, parabéns e um lindo domingo pra você, beijos.

manuel marques disse...

A felicidade raras vezes está ausente. Nós é que não damos pela sua presença.

Beijinho.

Sonhadora disse...

Minha querida

Um lindo poema...vestido de esperança e pintado de azul, adorei e deixo um beijinho.

Sonhadora

Sotnas disse...

Olá Zezinha, que tudo esteja sempre bem contigo!
Na mente somente a idéia de ser feliz e fazer, isso é muito bom pois pessoas assim vêem o mundo de um céu azul especial, pois sempre traz em si esperança!
Parabéns pelo belo e sensível poema. Mas, por aqui isto já não chega a ser novidade, pois sempre se lê por aqui belos poemas e admiramos belíssimas imagens!
Que você e todos ao redor sejam sempre felizes, me deixou deveras contente com suas visitas e comentários sempre carinhosos, abraços e até mais!

Zé Carlos disse...

Sabe Zezinha, ressentimento é o caminho certo para a doença e para a infelicidade. Caminhe sempre nesta direção.

Bjs do ZC

Um certo tipo de amor

Num domingo à tarde, depois de ver um filme de romance do qual não sei o título porque comecei a ver quase no final, atrevo-me a escre...