sábado, 16 de janeiro de 2010

POEMA TRISTE



VOU

Para sempre
Todo o sempre
Vou sem malas
Vou sem asas
Carregada de lembranças
Vou sem querer ir
Vou para o lugar distante
Aquele do início
O mesmo de onde eu vim
Vou para lá
Quieta ficar
Instalar minha alma
Cerrar nas paredes da memória
Meus sonhos e meu coração



Beatriz Prestes

3 comentários:

Zé Carlos disse...

Maria José

Teimosia

Insisto
em acender estrelas
em seu caminho.

No entanto,
você prefere
tropeçar feliz
na escuridão.

- Maria Nazaré de Carvalho Laroca -

Suzanne disse...

Eu também vou, muito melancólico esse poema, demonstra desilusão. Muito bonito também. Parabéns a autora.

Nazaré Laroca disse...

Obrigada pela honra de ver um poema meu no seu blog!
Visite o meu quando puder:

http://www.nazarelaroca.blogspot.com.br

Abraços,
Nazaré Laroca
Juiz de Fora - MG

Um certo tipo de amor

Num domingo à tarde, depois de ver um filme de romance do qual não sei o título porque comecei a ver quase no final, atrevo-me a escre...