segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Opinião, quem não tem?



Se há uma coisa que todo ser humano tem, é opinião. Não importa se o indivíduo tem curso superior, doutorado ou sequer consiga decifrar os códigos linguísticos. Pode não ter bom senso, conhecimento aprofundado sobre o assunto em questão, mas a tal da opinião, tem que ter, mas até aí, tudo bem. É muito importante ter um posicionamento diante das diversas e adversas situações que preenchem nossa TV, nosso dia a dia e esvaziam nossos bolsos. Até porque, se não tivermos cuidado, esvaziam também nossas mentes. A lógica da questão é a seguinte: se somos a soma das nossas vivências, culturas, espaços geográficos que ocupamos, educação a qual tivemos acesso, influência familiares e tudo o mais, porque não é considerado normal termos opiniões diferentes? É claro que os nossos valores morais não devem interferir de forma negativa na vida dos outros. Acredito no poder de persuasão. Demonstrar-se contrário a opinião alheia com respeito e argumentos claros, é tão normal quanto inteligente; reagir com ódio e rejeição ofensiva a essas situações é anormal e tolo. O conhecimento agrega valor à palavra. Portanto, faz-se necessário ouvir mais tanto as opiniões equivalentes quanto as contrárias e com a mente aberta repensar, reformular ou firmar nossa tão querida opinião.


Zezinha Lins

Elas e suas estações



A fotografia no porta-retrato não denunciava tão claramente sua inconstância, nem sua alma amorosa. Aquela foto foi o registro de um único momento, ela lembrava bem, era outono dentro dela, para um observador perspicaz aquele olhar triste contrastava com o sorriso farto,
Ela tinha as quatro estações dentro dela. Com trinta e nove anos, às vezes sentia-se uma menina, outras, bem mais madura. Mulher de fases, cheia de encantos e desencantos. Às vezes o Sol brilhava dentro dela com tanta intensidade que a iluminava por fora também, sentia-se bonita e atraente, aquecia a todos que dela se aproximava. Outras vezes, sem que planejasse sentia o outono se aproximar e se acomodar no seu ser, assim como no dia do retrato. Nesses dias, se recolhia mais, tempo de muita reflexão, de assumir seus traumas e limitações. Melancólica, deixava suas angústias se diluírem em lágrimas. Sentia-se solitária e despida da vitalidade de outrora. Sabia que apesar de tudo aguentaria firme, era mais uma estação, ia passar.
Quando o inverno dava o ar da sua graça ela se alegrava, amava ver e ouvir a chuva, mas às vezes o frio a deixava tensa, músculos rígidos, incomodava. Mas ela não desistia nunca de amar a vida e de remar contra a maré sempre que fosse necessário. Por isso, logo começava com esforço e dedicação, a preparar sua primavera. Estação de flores perfumadas e coloridas, rosas que enfeitariam sua casa num lindo vaso transparente, ao colhê-las certamente se espetaria em seus espinhos, tudo bem, apenas teria mais cuidado para continuar colhendo suas rosas sem se machucar.


Zezinha Lins

Chove lá fora


Naquela manhã de sexta-feira, acordei de um sono mais demorado do que de costume, olhei o relógio ao lado da cama, 8h. Ouvi o barulho da chuva tão esperada, muita água do céu caia como bênção, chuva de verão.
Estamos no Nordeste, na Zona da Mata, bem próximo do Agreste. Não temos seca de grande intensidade como no Sertão nem enchentes aqui no município de Glória do Goitá, mas o calor é intenso, o verão é longo, sendo assim, essa chuva é muito bem-vinda.
Levanto feliz, abro a janela do meu quarto e sinto o frescor da chuva invadir os espaços e acariciar meu corpo. Cheiro bom, cheiro de chuva pedindo um café bem quente. Em pleno verão uma chuva torna meu dia mais feliz.
 Algumas lembranças vão chegando devagar e trazem junto uma sensação de vitória: lembro de tempos passados quando meus filhos eram pequeninos, tempos de muitas dificuldades. Morávamos numa casa que mais parecia uma peneira, chovia lá fora e dentro de casa. Era sempre um grande desassossego pois, havia apenas um pequeno espaço sem goteiras onde eu me abrigava com as crianças enquanto esperava a chuva passar para secar o chão. Enquanto isso brincávamos. Todo o processo se repetia quando voltava a chover. Na época esse jeito de viver me fazia exercitar a paciência, mas nunca desanimar, sabia que um dia transformaria aquela realidade. Não seria sem esforço. Estudar e estudar, foi nessa estrada que caminhei durante alguns anos. Hoje, aquele jeito de viver me faz sorrir, é o motivo da minha felicidade quando chove. Aprendemos a valorizar nossas conquistas quando olhamos para o passado com um olhar generoso, sem nenhum constrangimento.
Olho em volta, observo minha casa confortável conquistada com o meu trabalho, e um sorriso ilumina minha face, observo da janela a chuva e como sempre, vem uma frase no meu pensamento: Chove apenas lá fora.

Zezinha Lins

Livro Partes do meu todo

Um pouco mais sobre sobre o livro Partes do meu todo é um livro diferente de tudo o que você já leu. Já no texto de orelha a obra ...