terça-feira, 21 de março de 2017

Prisma


Nasci sem cor,
um prisma transparente.
base insegura,
altura indefinida,
vértices desencontradas,
arestas afiadas,
faces rosadas.
A vida 
Conspirava a meu favor.
Enfim,
um pouco de luz
permeou os sonhos meus,
explodiram as cores,
ora quentes, ora frias.
Nasci sem cor
Hoje, polícroma sou.

Zezinha Lins

2 comentários:

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

OI, Zezinha. Passando por aqui pra agradecer sua visita ao meu blog e pra conferir as novidades. Sempre um belo espaço, agora repaginado. Parabéns, um beijo meu.

Poesia do Bem disse...

Linda inspiração!!

Poema sem registro

Numa folha de papel em branco Fiz de ti, poesia Versos concebidos em silêncio  Total ausência de grafia Segredos que não ouso ...