segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Tô Filmando



O céu levemente nublado com suas espessas nuvens brancas e cinzas que mais pareciam uma mistura bicolor de algodão australiano, observava o grupo de amigos aprendizes de futebol. Não dava pra perceber claramente se eles se divertiam com a bola ou se a bola se divertia com eles.
Naquele campinho simples num terreno baldio, entre chutes, cansaço e muito suor, cada um deles disfarçadamente sentia-se importante, um iniciante Neymar ou um Messi quem sabe, na difícil missão de conseguir driblar os adversários e enfiar a teimosa bola no gol. Tarefa que parecia impossível, mas a diversão estava garantida e vez ou outra acontecia o inesperado e desejado fruto daquela batalha com a redonda, saía um gol festivamente valorizado pelo autor do grande feito.
O céu, com seu semblante tranquilo, a tudo observava e sorriu quando ouviu um dos expectadores exclamar: _ É pra filmar, o sargento mandou! É pra filmar a bola ou o sargento? Tô filmando tudo!
Quem ganhou? Quem perdeu? Não importa... O encontro era o personagem principal. No dia seguinte daquela aventura semanal restaria apenas as dores musculares acarretando um “ai” ao levantar e um “ui” ao sentar. Nada que os fizessem desistir, na próxima semana tem mais. 


Zezinha Lins

domingo, 23 de outubro de 2016

O Som do Sonho


Cada nota que sai do piano,
Um verso...
E a melodia repleta de poesia
Entra pelos poros,
Invade os sentidos,
Agora, fechas os olhos e sonhas...
Eleva o espírito. Depois oferta-nos teus sonhos
Em forma de música com poesia.

Zezinha Lins

domingo, 16 de outubro de 2016

Afã


Ás vezes

O Sol da minha solidão

Se esconde por trás de espessas nuvens azuis

Suscito asas de águia

Num voo diligente e perseverante

Vou ao céu

Com as mãos pálidas,

Rasgo as nuvens azuis

De lá, retiro o meu Sol

Sim

Agora, novamente,

Há um Sol na minha solidão


Zezinha Lins

Poema sem registro

Numa folha de papel em branco Fiz de ti, poesia Versos concebidos em silêncio  Total ausência de grafia Segredos que não ouso ...